Dezembro (outra vez…) nos provérbios

Em Dezembro, lenha e dorme
Dia de Dezembro, má ventura, ainda bem não amanhece já é noite escura
Dezembro frio, calor no Estio
Depois de Santa Luzia (13) minga a noite e cresce o dia
No dia de Santa Luzia minga a noite e cresce o dia, mas, enquanto Cristo não nasceu, nem mingou nem cresceu
No dia de Natal têm os dias bico de pardal
Em Dezembro descansa, mas não durmas
Entre o Menino e o Tomé (21), três dias é
Do Natal ao S. João, ora conta, seis meses são
Em chegando ao S. Tomé, todo o tempo noite é
Por Santo Estevão (26) cada perdiz com seu perdigão
Neste mês de inverneira as histórias são à lareira
Pelo Santo Ambrósio (7), frio para oito dias
Dezembro diz: olha que o governo está na boca do saco; até Janeiro qualquer burro passa o regueiro, mas para a frente tem de ser forte e valente; se não tens governo, depois arreganhas o dente
Natal a assoalhar, Páscoa ao luar
Natal na praça, Páscoa em casa, Espírito Santo (dia de Corpo de Deus, festa móvel geralmente em Maio ou Junho), faz o ano franco
Ande o frio por onde andar o Natal o irá buscar
Dia de S. Silvestre (31) nem no alho nem na reste
Conceição (8) molhada, Menino (25) seco
Pelo Senhora da Conceição deita as favas à terra
Dezembro quer lenha no lar e pichel para o andar
Em Dezembro, a uma lebre galgos um cento
No Natal mete as ovelhas no curral
No dia da Senhora da Conceição as favas ao chão; pelo S. Tomé, carregam da ponta ao pé; eu semeio quando me faz conta e carregam do pé à ponta
Em Dezembro treme o frio em cada membro
O S. Nicolau (6) traz neve no chão

…e por falar em S. Nicolau (Pai Natal): de onde vem o Pai Natal?