um engano feito de afeição, é mais brando que um vestido de Bragança

Este gracioso e antiquíssimo ditame transmontano, praticamente esquecido, causou muita estranheza e dificuldade de compreensão a algumas pessoas, quando o referi num texto sobre a Domus Municipalis, de Bragança.
Se se concentrarem na vetusta idade deste aforismo e imaginarem como deveria ser, nesse tempo, um vestido, provavelmente de espessa lã ou áspero e cerdoso linho que, fosse o frio e o gelo ou a impiedade do Estio, assim o uso obrigava, então, decerto lhe ocorrerá a convicção de que ficaria com o corpo bem menos brando do que… um engano feito de afeição.
Ou não acham?…
(para os que conhecem a Domus bragantina, fica a referência à data da fotografia deste postal: 1911)

 

 

 

(bem estamos de roupa se não nos molharmos)

tamen abiit ad plures

Contudo, foi ter com a maioria


A fonte desta sentença é Petrônio, embora a equivalência entre plures e os mortos seja muito comum (em Plauto os mortos são qui… abierunt hinc communem locum, ‘os que daqui se foram para um lugar comum’).
A este propósito é curioso um epiosódio narrado por Aristófanes: os habitantes de Mégara pedem conselho ao oráculo de Delfos sob a forma de governo a ser adoptada: o deus responde que as coisas andarão bem se eles tomaram decisões com a maioria, aludindo a um regime democrático, em forma de assembleia, mas o significado de a maioria é mal interpretado e o local escolhido para as assembleias foi sobre o túmulo dos heróis.
Esta expressão perdurou no tempo e ainda hoje a encontramos em diversas línguas, com algumas variantes entre as quais, por exemplo, foi engrossar as fileiras do grande exército.

 

 

 

(espero que a Morte, quando vier, nada mais me possa tirar senão a vida)