vender por um prato de lentilhas

prato de lentilhasVender por um prato de lentilhas pretende ilustrar o desfazer-se de um bem, geralmente precioso (nomeadamente a própria palavra dada, por isso, a honra) por troca de qualquer coisa insignificante, irrisória e, a mais das vezes, enganosa.
Este axioma alude à passagem bíblica que cita a venda de Esaú ao seu irmão Jacob. Aquele, regressando de uma caçada, morto de cansaço e faminto, encontrou Jacob a cozinhar lentilhas. Dá-me dessas lentilhas que morro de fome, pediu Esaú.
Jacob respondeu Vendo-te um bom prato cheio deste cozinhado se me deres o teu direito de primogenitura.
E Esaú aceitou: tudo por um prato de lentilhas!…
Comeu, saciou a fome e foi-se deitar sem ligar importância ao gesto leviano que acabara de tomar e que tamanhas contrariedades lhe haveria de causar.

Quantos e quantas não souberam, depois, quão amargo é o sabor das lentilhas?…

 

 

 

(massa sovada não se faz prós burros)