atar e pôr ao fumeiro

atar e pôr ao fumeiro

Já sabemos que se trata de qualquer coisa que foi (ou deve ser) feita de modo desembaraçado, ligeiro.
O provérbio remete-nos para os tempos em que a única forma de preservar os alimentos eram a salga ou o fumeiro. As carnes, depois de desmanchados os animais, para não se estragarem, iam para o sal ou, em enchidos preparados e atados à roda do lar, eram, depressinha, penduradas nos fumeiros, onde ficariam durante meses.

 

 

 

(apanha o urso antes de lhe venderes a pele)