ficar para as calendas gregas

Deixar (ou ficar) para as calendas gregas significa ficar, ou deixar definitivamente adiado. A mesma acepção terá deixar para o Dia de São Nunca.
A expressão, parece, deve-se a um dito do imperador romano Augusto, registado por Suetônio, referindo-se aos que não pagavam nunca, ou os que nunca cumpriam promessa alguma. Em latim Ad calendas graecas.

Na verdade, assim como não existe qualquer dia dedicado a um São Nunca, também os gregos não tinham calendas (as calendas eram os dias festivos com que começavam todos os meses romanos).
A propósito, o calendário romano não tinha mais do que três dias fixos: as calendas (o primeiro dia de cada mês, e que iria dar origem à palavra calendário), as nonas (o quinto ou sétimo dia, de acordo com o mês) e os idos (ao dia 15, em Março, Maio, Julho e Outubro e a 13 nos outros meses). O calendário grego, muito semelhante ao romano, difere substancialmente no facto de não ter calendas).
Daí que, logicamente, se a expressão for usada incompleta (deixar para as calendas), – o que acontece vulgarmente – perde o seu sentido.

 

 

 

(há tanto para fazer, mas nada onde por a mão)