canto do cisne

Canto melodioso que se atribui ao cisne, pouco antes do momento da sua morte.
É uma lenda muito antiga que, embora sem qualquer fundamento, não impede o seu uso frequente. Diz-se ser a última manifestação de talento de um grande poeta, de um grande romancista, de um orador ou, até, de um cantor.
É vulgar referir-se, por exemplo, que os Cânticos Espirituais foram o canto do cisne de Racine e, também, que a segunda parte de Fausto foi o canto de cisne de Goethe.

O canto (som), que não tem convergência de opiniões sobre o modo como é produzido, ao contrário do que a lenda faz supor, é, curiosamente, uma sonoridade bastante desagradável ao ouvido humano.

 

 

 

 

(o pano que desça; a comédia acabou)

14 comentários sobre “canto do cisne

  1. Vida 19 Março, 2007 / 11:26

    Obrigado pelo pouco que ainda li. Muito agradável vir aqui.
    Beijos e ma boa semana.

  2. wicky 19 Março, 2007 / 09:47

    há sons —e tons…
    bom dia com um abraço

  3. Kalinka 19 Março, 2007 / 00:12

    Apeteceu-me
    «Olhar, sentir, captar»
    No regresso, vim por Aljezur, parei nas Azenhas do Mar, passei em Vila Nova de Milfontes, depois Ilha do Pessegueiro e, já o sol ameaçava se esconder, cheguei a Porto Covo, onde assisti ao maravilhoso espectáculo do pôr-do-sol.
    Aqui, fiquei presa ao chão, estarrecida com tamanha beleza do horizonte, da força do mar e, captei com a minha objectiva as mais fabulosas fotos de toda a viagem.
    Andei por aí, meti o nariz… como faço, como gosto, como quis!!!…
    Boa semana para TI, que sabes quando acho fenomenal ler-te.
    Beijos e abraços.

  4. pin gente 18 Março, 2007 / 21:40

    desliguei o som e não o ouvi cantar, fiquei-me pela imagem… magnífica! é quanto basta para que o seu canto passa a soar belo.

  5. Adryka 18 Março, 2007 / 21:21

    Tá fascinante este post, gostei imenso. Bj

  6. Anónimo 18 Março, 2007 / 19:59

    É com certeza difícil cantar bem
    quando se está morrendo…
    e se realmente o Cisne nunca cantou, durante a vida inteira, como há-de ser a sua voz bela, quando pela primeira vez canta e está de partida?!
    O que vale é que como diz o Povo;-“quem canta mal, canta sempre!”
    e eu sou dessas!
    Um abraço
    Maria Mamede

  7. Licínia Quitério 18 Março, 2007 / 00:20

    E, segundo me parece, o cisne é um animal mudo durante toda a vida. Até ao tal canto. O que dá mais matéria para a lenda.

  8. Entre linhas 17 Março, 2007 / 22:35

    Desconhecia esta lenda,mas aqui andamos sempre a aprender…))
    Bom fim de semana
    Beijinhos Zita

  9. un dress 17 Março, 2007 / 00:09

    é um ritual de passagem…
    talvez também o cisne se prenda ao mundo uma última vez. ou grite ao mundo ainda…ou pergunte…
    enquanto faz um trilho de som para a eternidade ~~~~
    (e como diz acima o klatuu…talvez cante também pralém da morte…)
    liiindo o poema! beijO

  10. psique 16 Março, 2007 / 12:41

    se é desagradavel…

  11. redonda 16 Março, 2007 / 00:21

    Não sei se consegui ou não que ficasse o comentário que estava a escrever… por isso vou repeti-lo com outras palavras. Não sabia que o canto do cisne era desagradável para o ouvido humano. Apesar de nunca o ter ouvido, imaginava que fosse bonito… bem, talvez o seja para os cisnes.

  12. JPD 15 Março, 2007 / 23:51

    Belíssimo texto!
    Para quem for à Baviera e visitar o NEUSCHWANSTEIN — Imperdível! — mantendo estas tuas notas na “memória activa” verificará a sua importância para a compreensão do relevo dado aos cisnes naquele indescritível palácio. Uma maravilha!
    um abraço

  13. Klatuu o embuçado 15 Março, 2007 / 23:15

    Sim, há quem saiba cantar até na morte… e para além…

  14. margarida 15 Março, 2007 / 12:58

    Si non é vero, é bene trovatto.
    🙂

(actualmente os comentários estão encerrados)