cuba


Cada cuba cheira ao vinho que tem, muita antiga esta sentença minhota, que intrigou a amiga Maria Amélia.
Obviamente que seria um grande disparate esperar que uma cuba, onde tivesse estado mau vinho, viesse a exalar o cheiro agradável do vinho bom.

Do mesmo modo não se pode esperar, de uma índole perversa, a mais leve suspeição de ser capaz da mais insignificante boa acção.
Na extrapolação está, sem dúvida, a moral a que o povo pretende aludir com a expressão.

.

a propósito de provérbios…

(Zé Povinho, pintura de Rafael Bordalo Pinheiro)

Para cada ocasião
tenha um provérbio sempre à mão

Costuma dizer-se (é lugar-comum dizer-se) que os provérbios, ou os adágios, são a sabedoria do povo (a verdade é que, aqui mesmo, algumas pessoas amigas, corroboram isso nos seus comentários) e que, acrescenta a vox populi, ditados velhos são mesmo evangelhos.
No entanto, creio dever usar-se uma certa cautela nesta generalização já que muitos dos adágios que compõem o vasto rifoneiro português pouco devem à sabedoria e muito lhes sobra, por exemplo, das conveniências sociais, religiosas e políticas dominantes, através dos tempos. A linguagem dos provérbios, dos ditados, dos lugares-comuns e, naturalmente, dos conceitos e preceitos que lhes estavam subjacentes, por vezes, não passavam de formas encapotadas de disseminar interesses obscurantistas, do mais variado cariz, visando a submissão e a aceitação de regras bem definidas. Por outro lado há, igualmente, outras fontes e razões para o surgimento dos adágios que, pelo tempo, se lhes perderam as origens e, por isso, o seu verdadeiro sentido hoje nos aparece distorcido.
Ainda, por fim, e não menos importante, há que considerar a parcela de ironia, brejeirice e sandice que está na raiz de muitos aforismos e ditos populares.
Isto para concluir que, provérbios, rifões ou ditados, não são, de facto, a sabedoria do povo. Afinal são mais do que isso: são o próprio povo.

 

.