ora experimente lá!…

as arremedas e as desarremedas

De todos estes saberes de almanaque de cultura popular, geralmente interligando a meteorologia, a agricultura e alguma tradição ou crença, surgiu uma forma curiosa de prever o estado do tempo para o ano inteiro. São, no dizer do lavrador as arremedas e as desarremedas. De que se trata?…
Bom, talvez por um lado tenha sido o querer saber antecipadamente o estado do tempo mas, por outro lado, não deixa de haver aqui muito da tentação divinatória do Homem à mistura com algum pragmatismo relativamente às perdas e ganhos nas colheitas, tão necessário no seu quotidiano. Assim, explica-se, sobre as arremedas e e as desarremedas: ‘arremedar o tempo que fará, é prever o estado atmosférico dos meses do ano’. A operação chama-se arremeda porque os dias que servem para a previsão climatérica, imitam, isto é, arremedam os meses respectivamente convencionados. Como estiver o dia do arremedo assim será o mês correspondente. A arremeda do ano faz-se, então, por observação do estado atmosférico dos dias, que decorrem entre o dia de Santa Luzia (13) até à véspera do nascimento do Menino (24), no ano anterior. A regra adoptada, será então:
o dia 13 de Dezembro arremeda (será igual) o mês de Janeiro do ano seguinte,
o dia 14 de Dezembro arremeda o mês de Fevereiro do ano seguinte,
…e assim sucessivamente.
Mas, para tirar as dúvidas, faz-se a desarremeda que é, nem mais nem menos, a prova real da operação da arremeda. Ou seja, consiste em refazer o que está feito, repetindo para isso a operação, depois de terminada e, claro, logo a seguir a ela. A segunda leitura irá confirmar ou prejudicar a primeira; terminadas que sejam as duas séries de observações, a segunda é a que, definitivamente, vai valer.
As desarremedas, serão, pois:
o dia 25 de Dezembro desarremeda e marca Janeiro,
o dia 26 de Dezembro desarremeda e marca Fevereiro,
etc. etc.
Não se sabe, nem se pode considerar como adquirido, que astrólogos e camponeses procedam da mesma forma e utilizem os mesmos métodos para as previsões do tempo. Sabe-se, isso sim, que esta prática é tão antiga quanto a ligação do Homem à terra e há saberes de almanaque referidos desde o século XI.
Mesmo que esta sabedoria peque por grosso defeito, a verdade é que parece duvidoso que sem essa mesma sabedoria, da qual os almanaques parecem ser apenas uma pequena parcela, alguma vez o Homem tivesse conseguido produzir a mais das míseras cenouras…

14 comentários sobre “ora experimente lá!…

  1. Jardineira aprendiz 17 Janeiro, 2008 / 21:18

    Esqueci-me de verificar! Lá se vai a previsão para o ano. Mas parece que vai ser seco, a confiar…

  2. Justine 17 Dezembro, 2007 / 16:50

    Pelas arremedas, não vamos ter chuva pelo menos até Maio do próximo ano! Vamos ver se as desarremedas confirmam ou não…
    Um Bom Ano Novo

  3. velha gaiteira 16 Dezembro, 2007 / 22:18

    Bom Natal, com muita sáude e calor humano!

    Abraços da

    velha gaiteira

  4. rendadebilros 15 Dezembro, 2007 / 23:06

    Nunca tal ouvira falar… aprendo sempre algo quando aqui venho. Como já mais de uma vez lamentei, só tenho pena de não ter tempo para vir mais regularmente…
    Prevejo então que Janeiro e Fevereiro vão ser meses muito frios… este ano… Como quase sempre, não é???
    Bom fim de semana.

  5. Gi 15 Dezembro, 2007 / 02:14

    Engraçado, a minha sogra de vez em quando fala destas “comparações” e eu nem sabia que elas tinham nome .
    Conheço quem só cultive com base nesta sabedoria popular e com o auxílio do borda d’água. Bem que me avisaram para não relvar o jardim da minha filha em Maio. Teimei, era um presente surpresa … morreu tudo passados 2 meses . Cientificamente tinha tudo para dar certo. Boa terra, boa rega, bom produto mas … 🙂

    Beijinhos

  6. Jardineira aprendiz 13 Dezembro, 2007 / 21:53

    Bem, ainda vamos a tempo de verificar! Para já parece que Janeiro vai ser seco e pelos vistos os seguintes também. E se as desarremedas não baterem certo em que ficamos?
    É que eu queria produzir cenouras…
    😉

    Estou a brincar mas adoro estas coisas!

  7. un dress 12 Dezembro, 2007 / 15:48

    leio sempre o borda d´água!

    entre outras coisas…

    acalma-me!! 🙂

  8. un dress 12 Dezembro, 2007 / 15:48

    intuição e predisposição.

    para mim o fascínio total!

    fios de magia. a suivre!!! 🙂

  9. Maria Laura 12 Dezembro, 2007 / 14:29

    Hoje parece-nos um tanto ou quanto contraditório daquilo que a ciência nos ensina. Mas que é fascinante e nasceu de algum saber empírico, isso não há dúvida.

  10. Justine 12 Dezembro, 2007 / 12:10

    Que interessante,e novidade para mim(apenas conhecia uma corruptela grosseira deste costume).
    E está-me cá a parecer que este ano vai haver muito mais gente, para além dos agricultores, a fazer as arremedas e as desarremedas…

  11. APC 12 Dezembro, 2007 / 01:21

    Acaso ou não, se resiste ao teste da repetição passa a ser regra! 😛

    Eu cá, crescida e criada sob a influência do actual paradigma científico (já em quebra, desde que o conheci, mas isso não importa agora), vou é tratar de tirar isso a limpo! 😛

    Lá para Fevereiro venho cá dizer-te o que concluí! 😉

    Mais uma vez, aprendi, e gostei imenso de ter aprendido! 🙂

    Grande abraço!

  12. bettips 12 Dezembro, 2007 / 01:16

    A opinião é…fascinante! Onde vais tu desencantar estes “arremedeios” do conhecimento do povo… Abçs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *