questionário…


Uma ocasião escrevi que não fosse função do Tempo consumir-se sem deixar cinzas, talvez a História, hoje, fosse uma ciência mais exacta que a exacta se diz a Matemática. Mas não é.
E não é, também, apenas isso. A História, por um outro lado, também acerta o caminho pela satisfação da tendência nacional. Essa coisa que, sabe-se lá às vezes porque desígnios, faz perder as asperidades, imperfeições, até aleijões, e se traveste, vaporosa e luzente, sem que se lhe vislumbrem as sombras e os defeitos.
E, no caso português, o Estado Novo soube, como ninguém, tornar esplendorosa, soberba e épica a narrativa pátria, chegando em não poucos casos a raiar o burlesco e a impudência. A História não mais seria a ciência dos factos, como a designou Bacon, mas antes a urdidura papagueada de conveniências à imagem de um povo impar governado por reis que se queriam com centelha de heróis, sempre no rasto iluminado do Céu.
Para o bem ou para o mal, a verdade é que Portugal nunca teve um império, mas ainda há quem acredite que ele existe…
Não cabe aqui, no entanto, dissertar sobre o assunto. Apenas se quer introduzir um facto que, não sendo tido como vulgarmente aceite, assume assim o estatuto de um curioso abalo na placidez do lago…
Isto porque se perguntou, entre dez figuras da história pátria, qual delas seria, de facto, a mais conhecida em todo o mundo.
As setenta e duas colaborações deram o seguinte resultado:
Luís de Camões, 28 votos (38,89%); Fernando Pessoa, 16 votos (22,22%); Vasco da Gama, 11 votos (15,28%); Infante D. Henrique 9 votos (12,5%); Fernão Magalhães, 3 votos (4,17%); Pedro Álvares Cabral e Gago Coutinho, ambos com 2 votos (2,78%); D. Afonso Henriques, 1 voto (1,39%); D. João II e Papa Pedro Hispano, sem votos.
Será Camões, de facto, a figura da história portuguesa mais conhecida em todo o mundo? Ou, talvez, Fernando Pessoa?… Camões será o autor português mais traduzido e Pessoa, porventura, o maior Desassossego da nossa literatura contemporânea. Mas isso fará de um deles, a figura histórica portuguesa mais conhecida além-fronteiras? Não!…
Houve uma sonda espacial da NASA com o seu nome. Um sistema internacional de GPS tomou-lhe o nome. É verdade que há poucas ruas com o seu nome. Praças, avenidas, largos ou rotundas, menos ainda. Mas a Astronomia tem uma mão-cheia de referências suas: são constelações, nebulosas e estrelas. Até a Geografia escolheu um dos lugares marítimos mais frequentados do mundo para o baptizar com o seu nome. Também uma falha oceânica tem o seu nome. Se há os PCs, os Macintoschs, também há os que são conhecidos pelo seu nome. Até o inenarrável Hugo Chávez se entusiasmou com eles…
Curiosamente (ou não…) pouco sabemos sobre Fernão de Magalhães. Pois, evidentemente, este é o mais universal de todos os portugueses. Mesmo que poucos sejam os que sabem que ele era português. Na Lapónia, na China, no Sudão,  ou… em Portugal.
(há uma praça, em Lisboa, que se chama ‘do Chile’. Está lá uma estátua, oferecida por aquele país. Uma estátua de... Fernão Magalhães)
Coisas do Arco-da-Velha!….

O meu agradecimento a todos quantos, amavelmente, responderam ao questionário. Extensivo a todos quantos, ao cabo de seis anos, continuam a dar-me o prazer da visita a esta despretensiosa página.
Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *