gosta de baunilha?…


A planta da baunilha é um dos mais belos e sensuais membros da família das Orquídeas. Floresce na ilha quente e húmida de Madagáscar, uma antiga colónia francesa, onde as plantações variam desde pequenos pedaços de terra a extensas herdades. Ainda hoje, nas mais cuidadas produções, as plantas são polinizadas a mão pelas fécondeuses: mulheres e crianças que diariamente passam entre as plantas, durante o período de floração de dois meses. As vagens são de tal modo preciosas que, em algumas criações, chegam a ter gravado o cunho do proprietário.
A transformação destas vagens verdes e inodoras em brilhantes e aromáticos feijões passa por diversos processos. Durante cerca de dez dias são alternadamente cozidos e colocados em estufas antes de serem postos a secar, artificialmente ou ao sol, durante cerca de cinco meses. Por fim são exportados em caixas metálicas, revestidos de papel a prova de gordura.
Como a baunilha é tão delicada e importante, a sua genuinidade é constantemente ameaçada, apesar dos esforços daqueles que a cultivam e a secam. Os chorudos negócios da falsificação do sabor da baunilha começaram no século XIX, e desde a viragem do século que a própria palavra tem sido abusiva e frequentemente utilizada por gigantes produtores de químicos.
São vendidos diariamente litros de gelados e toneladas de bolos ditos de baunilha que desta não tem nem um bocadinho; apenas o nome…
O seu paladar reside na vanilina sintética, uma substancia muito mais barata, extraída do licor de sulfito, utilizado no tratamento da pasta de madeira para fabrico do papel.
Bom Natal!