memórias ancestrias

Uma bem razoável percentagem dos homens, cinco vezes por semana – pelo menos – fica diante do espelho, e durante alguns minutos concentra-se num ponto logo abaixo da maça de Adão, onde as suas mãos se atarefam a dar um nó (ou a fazer uma coisa parecida...) a um bocado de pano colorido, à volta do pescoço.
Se fiz mais ou menos bem as contas, é um ritual que cumprirá, em média, umas catorze mil vezes durante a sua vida!

Por que é que os homens usam gravata?
Parece tudo apontar para que o costume esteja ligado a hábitos tribais. Por toda a Europa e mesmo no extremo asiático, os homens de vários lugares, e em épocas diferentes, costumavam amarrar tiras de pano à volta do pescoço, nos quais penduravam as suas insígnias ou amuletos de sorte ou poder. Depois de um combate, o homem limpava a faca manchada de sangue ao tecido, deixando visíveis os vestígios sangrentos da sua coragem. Julga-se que o apego a esse talismã de fortuna e virilidade, foi a razão de ter perdurado para além dessas épocas tribais.
Como curiosidade, imagine-se a repetir esse gesto, naturalmente na sua maioria supondo a faca na mão direita. Vai descobrir que as marcas, riscas, que se formariam nesse pano amuleto não seriam exactamente horizontais, mas sim inclinadas para o ombro esquerdo.
Será essa a reminiscência do padrão típico das gravatas às riscas?…

 

 

 

(tu é que talhas a canga para o teu pescoço)

6 comentários sobre “memórias ancestrias

  1. Renato Oliveira 4 Outubro, 2019 / 15:43

    Quando uso prefiro lisas. Mas gostei do texto,
    Abraço

    • jorgesteves 4 Outubro, 2019 / 20:41

      Não fica abrangido, portanto!…
      Abraço,
      jorge

  2. tb 3 Outubro, 2019 / 17:44

    Será, talvez. No entanto apenas é verdadeiro para os destros ou ambidestros. Os esquerdinos saem ao padrão. 🙂
    Muito interessante estas coisas do arco da velha, mesmo!
    Gostei muito de ler. Grata.
    Beijo.

    • jorgesteves 4 Outubro, 2019 / 20:40

      Ora aí está a explicação para eu não gostar desse trapo!…
      Obrigado, Teresa.
      Abraço.
      jorge

  3. Rui Silva 3 Outubro, 2019 / 00:51

    Lá se vai a teoria de que às riscas seria para pessoas ariscas.
    Muito interessante, amigo Jorge, sempre a aprender.
    Abraço.

    • jorgesteves 4 Outubro, 2019 / 20:38

      e a teoria das gravatas às bolas para os estarolas!…
      Abraço.
      jorge

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *