oração (de cordel)

No dia da eleição
O povo todo corria
Gritava a oposição
– Avé-Maria!
Viam-se grupos de gente
Vendendo votos na praça
E a urna dos governistas
Cheia de graça
Uns a outros perguntavam:
— O senhor vota connosco? —
Um chaleira respondeu:
— Este o Senhor é convosco
Eu via duas panelas
Com miúdos de dez bois
Cumprimentei-a, dizendo:
Bendita sois
Os eleitores
Das espadas dos alferes
Chegavam a se esconderem
Entre as mulheres
Os candidatos andavam
Com um ameaço bruto
Pois um voto para eles
É bendito fruto
Um mesário do Governo
Pegava a urna contente
E dizia – Eu me gloreio
Do vosso ventre!
Ámen.

Leandro Gomes de Barros, nasceu em Paraíba em 1865 e é considerado o maior escritor brasileiro da literatura de cordel (no Brasil mais conhecida por folheto ou, simplesmente, cordel), introduzida no Brasil pelos portugueses, desde os primórdios da colonização. A característica fundamente deste tipo de literatura é, por um lado a questão central vir a ser resolvida através da argúcia e a destreza para atingir o objectivo, outrossim o imaginário feudal europeu, povoado de duques, cavaleiros, damas e castelos, onde o herói sofre desgraças e martírios, fiel ao rei ou ao amor à volta de intrigas, dificuldades e traições que dificultam o feliz final junto do rei ou da mulher amada. Ao longo dos anos adaptada às mudanças sociais, sempre manteve o ponto comum da consagração do herói e a humilhação dos opositores.
A Ave-Maria da Eleição foi escrito em 1916. De brasileiro para brasileiros.
Não tem, por isso, qualquer semelhança, no tempo e com portugueses.

 

 

 

(mente Marta como sobrescrito de carta)

8 comentários sobre “oração (de cordel)

  1. Justine 8 Outubro, 2019 / 18:03

    Uma delícia! E claro que não tem nada a ver com o tempo e com os portugueses!!!

    • jorgesteves 13 Outubro, 2019 / 18:22

      Evidentemente que não, Justine!…
      Abraço.
      jorge

  2. Maria Sequeira Braga 7 Outubro, 2019 / 16:06

    E é verdade que lá veio a eleição de cordel!

    • jorgesteves 13 Outubro, 2019 / 18:21

      E o que mais se verá, amiga.
      Abraço.
      jorge

  3. Joaquim Queirós 5 Outubro, 2019 / 23:48

    Espero que ninguém queria rezar o credo, meu amigo!
    Grande abraço

    • jorgesteves 13 Outubro, 2019 / 18:20

      Uma Confissão talvez não fosse má ideia…
      Abraço.
      jorge

  4. tb 4 Outubro, 2019 / 21:19

    As coisas que tu desencantas!… 🙂
    A foto está um primor.
    Sempre um prazer ler-te!
    Abraço.

    • jorgesteves 13 Outubro, 2019 / 18:18

      Como se vê isto de eleições é uma fé antiga!…
      Volta, Teresa, vai haver mais.
      Abraço.
      jorge

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *