carregado como o preto da Casa Africana

Semelhante a uma outra expressão, também muito generalizada, que diz carregado que nem um burro, e que, naturalmente, dispensa explicações.
Mas… e esta? Tem origem num estabelecimento de (grande) moda, na primeira metade do século passado, com lojas em Lisboa e no Porto. Na rua Augusta, em Lisboa, nas ruas 31 de Janeiro, de início, depois rua Sá da Bandeira, no Porto.
A imagem de marca era um painel pintado nas frontarias das lojas onde se via um enfarpelado porteiro, negro, com as mãos cheias de embrulhos, atrás das madames que acabavam de fazer as suas compras. O curioso é que em ambas as lojas da Casa Africana lá estava, o porteiro – de carne e osso!… – diligente, sempre pronto para acarretar qualquer embrulho, saco, caixa de vestidos ou de sapatos, botas ou chapéus! Na função, se uma ou outra vez, eram dois ou três embrulhos, as mais das vezes, na verdade, ia mesmo carregado (com)o preto da Casa Africana

 

 

 

(carga leve ao longe pesa)