cesta de disparates


No início dos anos sessenta do século passado, o velho doutor Castro Amador, além de coleccionar a admiração e a amizade da esmagadora maioria dos seus alunos que, tantas vezes, fora das aulas, se deliciavam com a sua companhia e as suas histórias, pelos claustros da escola, também foi coleccionando o que viria a ser um enorme chorrilho de disparates, encontrados aqui e acolá nas provas dos seus alunos. Tantos que, mais tarde, viriam a dar estampa a um pequeno opúsculo feito a ‘papel químico’ (quem se lembra?...) na papelaria da escola. Há algum tempo tive oportunidade de rever um dos raros exemplares do seu  canistrum quoque uanitatem (cesta de disparates)  e copiar algumas das patacoadas ali retratadas. Ora vejam…
Alguém tinha escrito que a batata era uma raiz tuberculosa, outro dizia que os fósseis da Era Paleolítica foram os primeiros fósseis encontrados vivos. Numa questão sobre sociologia alguém escreveu que todo o homem que é religioso, e por isso acredita na sua religião, irá para onde tem de ir um dia quando morrer. Também houve quem escrevesse que a Bíblia era um composto de vários testículos, Agnus Dei era o nome de uma compositora de música e que Alcorão seria um grandioso dicionário sagrado de bebidas alcoólicas e adultério é o pecado que incorre de se dizer que somos mais velhos do que na realidade somos. Já agora, não há dúvida que o Sudário era uma espécie de sauna muito utilizada pelos antigos romanos. Em assuntos históricos a eloquência das sentenças, aí, era muito mais profícua. Havia a convicção de que as palavras cruzadas surgiram durante uma discussão entre os Cruzados, na Idade Média. Circum-navegação nada tinha a ver com Magalhães, antes, era um circo que, esse sim, fazia a volta ao mundo de barco. Enquanto na Grécia Antiga os deuses viviam como uma família normal, as múmias, que eram os habitantes do antigo Egipto, quando morriam tornavam-se faraós. Se, por outro lado, a Idade Média era a idade em que os homens morriam antigamente, mais tarde Luís XIV foi chamado Rei-Sol por ser muito musical e Francis Bacon ficou conhecido por ter inventado  os eggs and bacon. Ah!, e por falar em ovos: o ovo de Colombo era, provavelmente, um quisto enorme nas nádegas do navegador. Também parecia igualmente claro que um cónego era um chapéu pontiagudo usado pela Guarda Suíça, tal como o Apocalipse era um ritmo, provavelmente jamaicano, que surgiu logo após o calipso e levado para o Vaticano por qualquer eminência parda, notoriamente um bispo crioulo. Vaticano que teria aprovado a Lei da Gravidade como o único método anticoncepcional autorizado, sendo que efemérides é um palavrão em latim. Joana d’Arc, essa, obviamente, era a mulher de Noé. Do mais, temos que superlativos do mal são, muito mal, bem doente e morto; do mesmo modo que latifúndio é um dos derivados do leite, assim como a Genética é o estudo dos géneses que são, nem mais nem menos, do que os portadores da herança.
O doutor Amador, mestre também na arte da zombaria, terminava o seu livrinho escrevendo ‘e paga-me o Ministério 450 escudos por mês para eu ensinar esta cambada!’.
Dois euros e vinte e quatro cêntimos!…
in Contos de réis