com a corda toda

Nos anos 40 a 60 do século passado, eram comuns alguns brinquedos em lata (mais caros…) possuírem uma corda que depois de enrolada, com uma pequena e rudimentar chave, se distendia e fazia mexer o brinquedo. Normalmente ele movia-se de forma convulsa e acelerada até a mola se estender completamente.
Daí que essa impetuosa actividade tenha dado origem à expressão ter a corda toda no sentido de alguém que age de forma veloz e um tanto trapalhona, denotando pouco controle da situação.

 

 

 

(ninguém deve correr sem ver de quê)