como diz o outro

Como lá diz o outro, ou ainda, como dizia o outro.
A origem parece estar num episódio jocoso, mas imaginário, ocorrido em Espanha. D. Diego de Córdova, chamado à presença do rei Filipe II, apresentou-se acompanhado com um amigo que não foi admitido à audiência.
D. Diego, na conversa com o monarca, nas suas alegações acrescentava sempre, na parte final, as palavras como dijo el outro.
Tanto se repetiu que o monarca, intrigado, lhe perguntou quem era el outro.
D. Diego, ligeiro, abriu a porta fez entrar o companheiro, apresentando-o ao rei.
Como não foi possível encontrar uma raiz satisfatória para o uso deste axioma, não devemos excluir a hipótese da origem ser francesa.
A criação do império por Napoleão Bonaparte, com a sua parada de soldados espadeirando, incendiando e ladroando os diversos países da Europa, suscitou ódios tenazes mas também, curiosamente, firmes adesões. A França foi, portanto, durante todo  o século XVII, o século XVIII e os princípios do século XIX o alvo de todas as atenções.
A língua francesa, tendo-se tornado a língua da diplomacia, dos salões e da cultura em geral, naturalmente que influenciou e alterou a língua portuguesa com palavras, expressões e locuções recolhidas através da aprendizagem da língua, de leituras e de traduções de obras francesas.
No início século XIX já era conhecida a expressão comme dit l’autre, usada para apresentar ironicamente uma citação de alguém supostamente conhecido. Podemo-la encontrar em dicionário bilingue português de 1817, que realça a locução em linguagem popular, como o outro que diz, salientando a vulgaridade da citação.
Entre a hipótese espanhola e a francesa… venha o diabo e escolha.
Como diz o outro

 

 

 

(montes vêem paredes ouvem)