ferradura (achar uma)


É geralmente conhecida a crença popular de que uma ferradura abandonada traz felicidade ou acrescidos favores a quem a encontre.
Qual será, e de onde veio, a origem desta fermença do povo?
O costume de ferrar os cavalos remonta, sabe-se, a muitos séculos antes da era cristã. Na Roma antiga, porém, era hábito de alguns homens ricos, mandar ferrar os seus corcéis com ferraduras de prata, ou mesmo de ouro. A surpresa era, portanto, bem agradável para aqueles que achavam um desses objectos, perdidos no pó das estradas.
Provém daí a sorte em achar uma ferradura.
Curioso referir, a propósito, que quando Duncaster, embaixador da Inglaterra em França, fez a sua entrada em Paris, em Março de 1626, ordenou que o seu cavalo, calçado de prata, fosse tão mal ferrado que, de vez em quando, uma das ferraduras se perdesse. Um ferrador, que figurava no séquito de Duncaster, imediatamente aplicava nova ferradura ao cavalo. O lord queria, desse modo, mostrar à população parisiense que eram vastos os seus haveres e larga a sua generosidade…

 

 

 

(um ferrado dura, quando se dá uma no cravo e outra na ferradura)