fiasco (dar ou fazer) um

Esta palavra, fiasco, cuja significação é bem conhecida (fazer asneira, disparatar, destrambelhar), embora tenha uma origem pouco conhecida.
Um antigo jornal italiano, Il Messagero, explica-a deste modo:

(…) Nos finais do século XVII, Domingos Biancolelli era o mais célebre Arlecchino de Bolonha. Todas as noites se apresentava em cena com um novo monólogo, que improvisava tomando por assunto qualquer objecto, muitas vezes um simples acessório que trazia dos bastidores, uma carta que dizia ter roubado à sua dama, uma cabeleira ou, até, um prosaico descalçador.
Uma noite, Biancolelli dá entrada em cena com um enorme frasco de vinho, a respeito do qual começou o seu monólogo. Infelizmente, não estava com veia; as suas facécias não surtiram efeito e o público, impacientado, começou por murmurar e acabou por assobiar. Então Arlecchino, encontrando por um momento a sua graça de repentista, dirige-se ao frasco, dizendo em tom de censura ‘Vês, tu é que tens a culpa de eu estar hoje tão estúpido’ e em seguida lançou-o ao chão. Alguns espectadores riram com boa vontade, mas Biancolelli já perdera a batalha. Desde então o público bolonhês habituou-se a dizer, sempre que um artista não satisfazia, ‘é il fiasco d’Arlecchino’.
O dito foi progressivamente passando a, simplesmente, é um fiasco (frasco).
A frase espalhou-se por toda a Itália e, hoje, pode dizer-se que o termo foi adoptado universalmente.

 

 

 

(a asneira é sempre faladora)