Janeiro (outra vez…) nos provérbios

A água de Janeiro vale dinheiro
A galinha de Janeiro vai pôr com a mãe ao colmeio
Ao luar de Janeiro, conta-se dinheiro
Bácoro de Janeiro com seu pai vai ao fumeiro
Bons dias em Janeiro enganam o homem em Fevereiro
Calça branca em Janeiro é sinal de pouco dinheiro
Se cavaste fundo em Novembro, planta agora em Janeiro
Chuva em Janeiro e sem frio, vai dar riqueza ao Estio
Janeiro inteiro, um salto de carneiro
Janeiro fora, mais uma hora, quem bem souber contar hora e meia vai achar
Em Janeiro todo o burro é sendeiro
Em Janeiro nem galgo lebreiro, nem cão perdigueiro
Em Janeiro, um porco ao sol, outro no fumeiro
Em minguante de Janeiro corta teu madeiro
Galinha de Janeiro, enche o poleiro
Invernia em Janeiro e seca em Abril, deixa o lavrador a pedir
Janeiro como entra assim sai
Janeiro frio ou temperado, passa-o enroupado
Janeiro, geadeiro
Janeiro greleiro não enche o celeiro
Janeiro molhado, se não é bom para o pão, não é bom para o gado
Janeiro quente traz o diabo no ventre
Lua a de Janeiro e amor o primeiro
Lua de Janeiro não tem parceiro, excepto a de Agosto que lhe dá no rosto
Madeiro para tua casa, corta-o em Janeiro
No mês de Janeiro sobe ao outeiro para ver o nevoeiro
Os pintos nascidos em Janeiro, comem um boi e valem um carneiro
Quem azeite colhe antes de Janeiro, azeite deixa no madeiro
Se o Inverno não faz o seu dever em Janeiro, faz em Fevereiro
Se o vilão soubesse o sabor da galinha em Janeiro, não deixaria nenhuma no poleiro
Sol de Janeiro, sempre em baixo no outeiro
Trovoada em Janeiro, nem bom prado, nem bom palheiro
Vai-te embora, Janeiro, cá fica o meu cordeiro
Vinho verde em Janeiro, é mortalha no telheiro

 

15 comentários sobre “Janeiro (outra vez…) nos provérbios

  1. Gi 5 Fevereiro, 2008 / 18:51

    A que me é mais familiar e a minha avó usava muito é a das calças brancas em Janeiro. Na altura não deviam existir a pura lã virgem :)))

    Tens um prémio para receber no meu blogue, tens que procurar os números coloridos porque hoje apeteceu-me atribuí-los de forma diferentes 🙂

    Um beijinho

  2. Maria Luar 5 Fevereiro, 2008 / 09:11

    E a sabedoria popular continua intacta apesar do tempo ter registado algumas alterações.
    E Fevereiro?
    Espero-o.

    Abraço
    *
    xi
    *

  3. APC 5 Fevereiro, 2008 / 03:42

    Olá-olá, vizinha! (diz-me lá que agora não ficava nito “vizinha betinha”? Eu bem digo!…;-). Vim aqui mesmo deixar uma Fevereirada ao nosso grande pintor de letras permanentes. Ora então, com licença (e xau-xau, até bem breve!):

    “Quando não chove em Fevereiro, nem bom pão nem bom lameiro”

    (E sim, claro que estou consciente de que esta é batota. Mas qui-la aqui!)

  4. bettips 4 Fevereiro, 2008 / 00:54

    Olá, aí acima! Bom encontro…

    E Fevereiro? “o que matou a mãe ao sólheiro”…
    As tuas palavrinhas como cerejas maduras.
    Abraços

  5. APC 3 Fevereiro, 2008 / 23:28

    Vai-te embora, Janeiro, cá fica o nosso companheiro… E a sua tinta permanente! 🙂

  6. velha gaiteira 3 Fevereiro, 2008 / 16:50

    Acabou o Janeiro, caro amigo.
    hoje é o primeiro domingo de Fevereiro. O que tens para nos dizer?

    Abração

  7. Frioleiras 3 Fevereiro, 2008 / 00:45

    E eu que adorava Janeiro…..
    Com um Janeiro feito Verão, haverá provérbio que se lhe aplique?…..

    Saudades do frio de
    então…

  8. Jardineira aprendiz 1 Fevereiro, 2008 / 21:01

    E o que pensar deste Janeiro quente e sem geadas nem chuvas? Esperemos que Fevereiro obedeça aos bons costumes…

  9. elvira carvalho 31 Janeiro, 2008 / 15:18

    Uma boa colecção de provérbios populares.
    Um abraço

  10. APC 30 Janeiro, 2008 / 03:08

    É… O sol de Janeiro, tão perigoso.
    Contudo, bem bonito! 🙂

    Escolhi esse ditame, de entre todos, porque aprecio excepções como o sol de inverno e as chuvas de verão. E este blog, então…! 😉

    (Eheheheh)

  11. Maria Laura 29 Janeiro, 2008 / 11:17

    Há uma série deles que não conhecia. No fundo, a maior parte tem a ver com a necessidade de um Inverno verdadeiro… como era dantes. :))

  12. un dress 29 Janeiro, 2008 / 00:55

    ai este janeiro verão

    que atravessámos…

    estranhamente eu.

    gosto de inverno a sério…:)

    bela colheita proverbiopoética!

    abraÇo

  13. bettips 28 Janeiro, 2008 / 22:04

    Uma variante da avó: “não há luar como o de Janeiro nem amor como o primeiro”, o que é parecido com o que aqui deixas dito.
    Grata e lembrada por ti.
    Abraços

  14. Justine 28 Janeiro, 2008 / 17:35

    E como o inverno não fez o seu dever em Janeiro, lá vamos nós amargar chuva e frio e vento em Fevereiro.
    Isto, se ainda se cumprirem os provérbios populares :))

(actualmente os comentários estão encerrados)