Março nos provérbios

Se entre Março e Abril o cuco não vier, o fim do mundo está para vir;
Vai-te embora Fevereirinho de vinte e oito que dos meus bezerrinhos todos deixaste oito; deixo estes que aí vem Março que de oito deixa quatro;
Quem em Março não merenda, aos mortos se encomenda;
Quem em Março assoreou, tarde acordou, mas quem a sua maçaroca fiou, com ela se achou;
Todos os meses me virás ver, menos em Março que quero crescer;
Vai-te aos cubos do moinho: teu braço a novos proveja, quando por Março troveja;

Se chove no São Benedito (16), só quarenta dias depois terás um dia bonito;
Podar em Março é vindima no regaço;
Se queres um bom cabaço, semeia-o em Março;
Quem em Março relva, não tem pão nem erva;
De Março a Abril há pouco que rir;
Março amoroso e Abril ventoso, fazem o ano formoso;
Março molha o rabo ao gato se Fevereiro ficou farto;
Dia de S. José (19) e o cuco sem vir, ou ele é morto ou está para vir;
Em Março chova cada dia um pedaço;
Março marçagão, de manhã cara de cão, ao meio-dia cara de rainha e à noite corta com a foucinha;
Março marçagão, de manhã cara de riso e à noite cara de cão;
Março ventoso, casa a filha do lavrador;
Março liga a noite com o dia, o Manuel com a Maria, o pão com o mato e a erva com o sargaço;
O sol de Março queima a dama do paço;
Em Março, de manhã pinga a telha e de tarde sai a abelha;
Em Março espiam-se as rocas e sacham-se as hortas;
Em Março tanto durmo como faço;
Secura de Março, ano de vinho;
Março o cria, Março o fia;
Março leva a ovelha e o farrapo e o pastor se ele é fraco; o cão escapará ou não.

5 comentários sobre “Março nos provérbios

  1. Maria P. 4 Março, 2007 / 22:08

    voz do povo
    é sábia

  2. marta 4 Março, 2007 / 11:42

    Conhecia aí, uma meia dúzia deles.

  3. veritas 2 Março, 2007 / 18:39

    Olá!

    Venho aqui para aprender…e nunca saio desiludida!!

    Bjs. Bom fim-de-semana.

  4. margarida 1 Março, 2007 / 14:01

    Cá está a enciclopédia oral… Eu sinto sempre os provérbios como a sabedoria humana. Uma vez, quando dava aulas de português a uma japonesa, estivemos a comparar os das nossas ambas culturas. E, tirando os que se referiam ao clima, que eram, claro, diferentes, para cada um português que ensinava uma verdade da vida (das relações entre as pessoas, dos perigos e das alegrias da relação huumana), havia um japonês que, com outra metáfora, dizia o mesmo.

  5. Gi 28 Fevereiro, 2007 / 23:17

    Conheço outro que me parece não estar aqui

    Março Marçagão, manhãs de Inverno, tardes de Verão . 🙂
    Este dizia a minha avó velhinha que se fosse viva tinha perto de
    120 anos 🙂

(actualmente os comentários estão encerrados)