meter o bedelho

Meter o bedelho é intrometer-se, cheiretar a conversa, o negócio, a casa ou a intimidade de outrem.
Bedelho é o nome dado a qualquer trunfo pequeno, de pouca importância, nos jogos de cartas, como a sueca ou a bisca. Daí a expressão, pois quem mete o bedelho, quer, ou pensa poder, contribuir para ganhar a partida ou o jogo.
Na verdade, meter o bedelho, é uma atitude reprovável, dificilmente tolerada, pois raras são as vezes que não se torna desagradável por ser inoportuna ou, até, inconveniente: Aqui entrou com o seu bedelho o demo (…), Filinto Elísio, Versos, II, (…) as Cortes, chamadas por D. Henrique para decidir a questão, estavam já tão pouco acostumadas a meter o seu bedelho nessas questões, que disseram ao rei que decidisse como quisesse apesar de berrar muito contra isso um português às direitas, procurador de Lisboa, e que se chamava Febo Moniz (…) – Pinheiro Chagas, História Alegre de Portugal.
Note-se ainda, a propósito, que bedelho é também um pequeno ferrolho, colocado horizontalmente numa porta e que, levantado ou descido, serve para a abrir ou fechar. Daí que, meter o bedelho numa conversa, por exemplo, poderia ser, em sentido figurado, correr o ferrolho de modo a que se alterasse o natural rumo da conversa.
(ver meter a colherada)

 

 

 

(panela onde muitos mexem, não toma tempero)