o Diabo fez a ponte, mas os cristãos benzeram-na…

Para os lados de Préstimo, a uma mão cheia de quilómetros de Águeda, o rio Alfusqueiro, aqui e além com trechos de boa profundidade, esgueira-se entre ravinas, de vegetação bem cerrada e sombria, cantando sonoras melodias, apertado pela penedia e habituado ao duro leito de pedra solta e areia bordejeira e grossa.
Conta o povo que por ali, meia escondida, apareceu uma ponte de soberba e sólida cantaria para melhor fazer a difícil ligação entre as margens. Os cristãos, que olhavam com desconfiança a outra margem, não acreditaram que tal ponte, surgida do nada, fosse obra de piedosos fiéis. E, é bom de ver, deitaram as culpas ao Diabo. Este, dizia-se, teria combinado com um fidalgo da povoação cristã, em paga de um arranjo que teria sido feito numa noite de Natal, pertencer-lhe a alma do primeiro cristão que por lá passasse até ao cantar do galo. E que, o tal fidalgo, assinara o trato com o seu próprio sangue, a assegurar que assim seria. Ora, como se isso acabasse descoberto, angustiavam-se as gentes do povoado, à medida que o tempo passava.
Até que surge a Boa Fada: ‘Tomem lá este ovo. – disse ela – Vigiem bem a ponte! Logo que o Diabo apareça sobre a primeira pedra, lancem o ovo pela ponte fora!...’
– ensinou a Boa Fada.
Assim fizeram os homens mais afoitos do povoado, escondidos nas sebes, mal avistaram o demo, sorrateiro, a chegar-se à ponte. O ovo, ao rolar pelo meio da ponte, transformou-se em galo e logo se pôs a cantar tão alvoraçado, que assustou o Diabo de tal modo que se escapuliu pela noite escura, parece, a preparar perfídias e vinganças.
Mas, já preparados, um bom magote de cristãos saltaram para o caminho, correram, e lestos se apressaram a benzer a ponte…
E, nesse seguro, lá fui fotografar a ponte.

 

 

 

9 comentários sobre “o Diabo fez a ponte, mas os cristãos benzeram-na…

  1. tinta permanente 13 Abril, 2010 / 14:09

    APC
    E bem linda é a ponte e as margens, na chegança do rio às suas bandas. É uma visita bem merecida, acredita!
    abraços!

    Bartolomeu
    Muito mais que garantidas por engenheiros!…
    (mesmo os encartados à semana…)
    abraços!

    Arménia Baptista
    Vale a pena a visita, vale!…
    abraços!

    Baila sem peso
    Ai não que não vingou! É vê-la, ali, sólida como uma rocha!…
    abraços!

    gaivota
    Às vezes não há benzedura que chegue, mas tentar não custa…
    abraços!

    Justine
    Pois é: ao menos nas lendas…
    Poder ser que, um dia…
    abraços!

    MagyMay
    Como dizia, aqui em cima à Justine, pode ser, pode ser que um dia…
    abraços!

    Berro d'Água
    Agradeço e… volta sempre!
    abraços!

    e aos outros passantes
    a Boa Fada vos proteja!

    tintapermanente

  2. Berro d'Água 13 Abril, 2010 / 11:37

    Cheguei até aqui através da Teresa e gostei muito de teu espaço, tanto quanto gostei de teu facebook.
    Parabéns!!!
    Com um abraço,
    Cris

  3. MagyMay 13 Abril, 2010 / 10:26

    O Diabo saiu de rabinho entre as pernas, como sempre nós os Cristãos podemos estar descansados… mas isto é nas historinhas.

    Abraço

  4. Justine 9 Abril, 2010 / 10:47

    E assim, mais uma vez, as forças do Bem venceram as do Mal! Pena que isto só aconteça nas lendas…
    (a história, como sempre esplendidamente contada)
    Um abraço

  5. gaivota 7 Abril, 2010 / 22:13

    há que benzer… pontes, ovos, páscoas, povo, tudo!
    para que a força se mantenha de pé em todas as frentes…
    com e sem diabos!
    beijinhos

  6. Baila sem peso 7 Abril, 2010 / 17:53

    Linda a queda da água
    no meio de vegetação!
    Uma ponte segredava
    o Ovo que lhe habitava
    o seio da condição…
    A Fada lá ganhou a questão
    ensinando o povo cristão
    contra diabo que fugiu de galo
    ao ver tal aparição! 🙂
    Será que se vingou?
    huummm…vou ficando com dúvidas…
    entretanto ouvindo o Malhão do Mar
    onde essas águas vão parar 🙂
    E sobre a amarelinha
    entre o diabo e os fidalgos
    então os nós, ficam salvos!? 🙂

    beijo um pouquito enroscadito 🙂

  7. Arménia Baptista 7 Abril, 2010 / 14:12

    …Gosto muito de pontes…E esta com uma história assim, aumenta o meu interesse. Não a conheço, mas fiquei com muita curiosidade de lá ir espreitar…
    😉

  8. Bartolomeu 7 Abril, 2010 / 09:29

    E assim se tornam as pontes seguras e fiáveis…
    ;)))

  9. APC 6 Abril, 2010 / 19:02

    Eheheheh… Tal e qual como as crianças, que brincam imaginando uma figura malvada que é preciso combater. Não fosse assim, como é que se entretinham? 🙂
    Gostei da história, e de como com ela camuflaste um ovo de Páscoa; e muito, mas muito, dessa misteriosa ponte (grande imagem!) unindo "ravinas, de vegetação bem cerrada e sombria".
    Fica um abraço, de ponte.

(actualmente os comentários estão encerrados)