parte de leão

Ficar com a parte de leão é, literalmente, ficar com tudo, é despojar os parceiros através de recursos ilícitos e (ou) intimidações de força. A expressão nasce de uma fábula clássica, de que há versões semelhantes quer de Esopo ou Fedro e que foi renovada (e mais divulgada) por La Fontaine.
O leão convidara três outros animais para caçar (a bezerra, a cabra e a ovelha, isto na versão de La Fontaine), com a combinação de dividir depois os despojos da caça. Graças ao esforço comum, então, um veado foi morto, sendo então repartido conforme o número de caçadores. Falou, então, o leão, tomando para si a primeira peça: Esta é a minha, e a razão é que eu chamo-me leão. Quanto a isso ninguém teve que objectar. A segunda também ainda me cabe, por direito: o direito do mais forte. E como o mais valente, também reclamo a terceira. Quanto à quarta, se algum de vós lhe tocar, pode ter a certeza que o estrangulo, rematou o leão, acabando com qualquer dúvida que porventura houvesse.
Na versão de Esopo, os animais são apenas três. Morto o veado, o leão mata também o asno, dizendo à raposa que é para eles ficarem com pedaços maiores. Porém, a raposa, finória, diz que não será necessário, porque está com muito fastio. E vai-se embora deixando tudo ao leão…

(a raposa, seja por La Fontaine, Leonardo da Vinci, Esopo, Stevenson, Fredo e outros, é sempre considerada e retratada como astuta, sagaz, hábil e batoteira; daí a generalidade de fina como a raposa)
Originariamente, destas fábulas e com sentido em tudo semelhante, também é oriunda a expressão contrato leonino.

.

 

 

(em todos os negócios deve haver escolher, supor e aceitar.
escolher o melhor, supor o pior e aceitar o que convier)

13 comentários sobre “parte de leão

  1. jawaa 9 Fevereiro, 2009 / 22:10

    Este contrato leonino nada tem a ver com futebol… espero.
    Abraço

  2. Violeta 6 Fevereiro, 2009 / 23:48

    gostei da fábula (já hoje a tinha lido, quando pesquisava a águia e a coruja) tão actual nos dias de hoje…
    bom fim de semana

  3. secreto segredo 4 Fevereiro, 2009 / 12:32

    A moral da estória é interessante.

  4. Arabica 4 Fevereiro, 2009 / 09:28

    Tenho que tomar partido? 🙂
    Pois sendo assim escolho a raposa, que é cá das minhas…
    Já agora: quem fotografou o leão?!…:)

  5. Rosa dos Ventos 3 Fevereiro, 2009 / 23:45

    Ainda bem que há raposas atentas, assim se vão safando dos leões que por aí andam.
    Abraço

  6. Fa menor 3 Fevereiro, 2009 / 17:56

    Ora muito bem!
    às vezes é caso para dizer: “Eles comem tudo!”

  7. Teresa Durães 3 Fevereiro, 2009 / 15:11

    sempre a lei do mais forte…

  8. mdsol 3 Fevereiro, 2009 / 12:47

    Eu tinha uma ideia diferente do significado da expressão. Julgava eu que significava ficar com a melhor parte! Mas não, significa ficar com tudo e, por meios pouco recomendáveis!
    Sempre se aprende por aqui
    :))

  9. Graça Pires 2 Fevereiro, 2009 / 22:26

    É curioso como as fábulas se aplicam à vida…
    Um abraço.

  10. APC 2 Fevereiro, 2009 / 20:51

    A versão de Esopo é menos infantilizada e mais inteligente. Mas – passo a ingenuidade – que é feito da ideia de ganho-ganho na negociação? Porque não um pouco de fé numa reciprocidade vantajosa?…
    Bom… Deve ser por estas e outras, que eu não sou rica! 😉
    Um rico abraço, sem negociações.

  11. Adérito, o tasqueiro 2 Fevereiro, 2009 / 20:07

    A inteligência é sempre superior à força 🙂
    Saudações Tasqueiras.

  12. Justine 2 Fevereiro, 2009 / 19:19

    Eu cá acho que haverá sempre uma raposa a “dar a volta” a um leão…

  13. Bartolomeu 2 Fevereiro, 2009 / 12:33

    Se a versão da “parte de leão” fosse reescrita, seria necessário fundir os autores e também de fundir e renomear os ambientes e os personagens. Assim, à selva passariam a chamar portugal, ao leão, sócrates, ao tio a bezerra, ao primo a cabra, ao que esteve na reunião mas que o leão não conhece, a ovelha,aos ingleses a raposa. Resta o burro que, claro esta, só pode ser um… o povo e mais nenhum.

(actualmente os comentários estão encerrados)