passar o Rubicão

Passar o Rubicão significa empreender, de um modo definitivo, irrevogável, uma empreitada ou uma tarefa arriscada de uma forma assumida, um pouco como se costuma dizer suceda o que suceder, ou dê para onde der. É, a frase, uma alusão à rebeldia de César contra o Senado Romano.
O Rubicão era o rio que separava a Gália cesalpina de Roma. Temendo um golpe de mão contra a cidade, o Senado declarou sacrilégio e condenava à morte quem ousasse atravessar o rio com um exército. Era um golpe assestado a César, a quem se recusava ao mesmo tempo, por instigação de Pompeu, a renovação do seu mandato na Gália, que acabava de conquistar. Aceitando a luta, César resolveu marchar sobre Roma com os seus legionários, orgulhosos com as suas últimas vitórias. Apesar disso, ao chegar às margens do Rubicão, vacilou em dar o passo que iria desencadear, necessariamente, a guerra civil e, então, conferenciou com os que o acompanhavam: uns animavam-no a atravessar o rio, outros, a que desistisse de tal intento. Enquanto César reflectia sobre a decisão a tomar, um prodígio, segundo narra Suetónio, fê-lo determinar: a aparição de uma figura sobre-humana que parecia apontar-lhe o caminho. César lançou-se ao rio, ao mesmo tempo que exclamava:
Vamos aonde nos chama a voz dos deuses e a iniquidade dos nossos inimigos. A sorte está lançada!
É esta última expressão (Alea jacta est) latina, que geralmente se emprega, nas mesmas circunstâncias, em que se diz passar o Rubicão.

 

 

 

 

(o rio corre porque o seu fim é acabar)

8 comentários sobre “passar o Rubicão

  1. tinta permanente 24 Março, 2010 / 18:38

    Baila sem peso
    Deixaste-me a pensar…
    …que adianta ao anoitecer, perguntar pela manhã?
    abraços!

    Bartolomeu
    Ó meu amigo, cuidado: nem sempre os rios se mantêm inalteráveis e muito menos… sempre atravessáveis!
    abraço!

    Justine
    Coragem, só, já não basta!…
    abraços!

    Violeta
    Ou passam todos…
    abraços!

    APC
    Pois é!, às vezes atrapália!…
    E, quase sempre, bastante. É que a fortuna, às vezes, não é… álea!
    abraços!

    Eduardo Marculino
    Agradeço! Volte sempre.
    abraço!

    Rosa dos Ventos
    Lá querer, todos querem, mas passar…
    abraços!

    aos que passam…
    passem bem!

    tintapermanente

  2. Rosa dos Ventos 22 Março, 2010 / 12:07

    E quem não quer passar o Rubicão?! :-))
    Abraço

  3. APC 16 Março, 2010 / 16:04

    A fortuna é álea. Umas vezes segue em frente, outras vezes se atrapália! 😉 Ta'í, gostei mêmo!
    Abraço a ti (a César o que é de César)! 🙂

  4. Violeta 14 Março, 2010 / 12:52

    Mais uma expressão que não conhecia.
    Aguardo que passe o Rubicão…

  5. Justine 12 Março, 2010 / 17:53

    Estamos bem a precisar de coragem para passar o Rubicão, neste país cinzentão….
    Abraços

  6. Bartolomeu 12 Março, 2010 / 08:35

    Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, mas os rios… esses mantêm-se inalteráveis, e sempre atravessáveis… Haja para tanto vontade nos corações dos homens… Os prodígios e as "figuras sobre-humanas" aparecerão certamente.

  7. Baila sem peso 11 Março, 2010 / 21:04

    Passar o Rubicão, não é tarefa fácil não!
    Mas no meio do rio triste
    Algo de azul de vez em quando lhe assiste…
    Fazer como César, em certas alturas, então…
    dê por onde der, suceda o que suceder
    O rio me dará ajuda, se nos seus braços perecer!
    E que lindo o soar da cor, no tom desse cantor!
    Deixa-nos a pensar…hoje, será um amanhã…
    Que adianta ao anoitecer, perguntar pela manhã?
    Gostei deste azul, deste rio, deste sentido…
    Deixo meu beijo na covinha de teor percorrido!

(actualmente os comentários estão encerrados)