Ponte (do ou de?…) Lima

Talvez que a existência de uma travessia sobre o rio tenha sugerido a designação (e, porventura, também a fundação) da localidade que, mais tarde, acrescentaria o nome do rio (e, ou, da região, como referirei já a seguir). E o acrescento do nome do rio seria, talvez, também para se distinguir de outras povoações homónimas. As referências documentais mais antigas conhecidas sobre esta vila (por exemplo, um foral de D. Teresa), identificam-na apenas por Ponte (designação pela qual, diga-se, ainda hoje frequentemente é tratada, sobretudo localmente). O nome composto aparece, provavelmente, pela primeira vez, nas Inquirições de 1258.
E, a questão mais curiosa que aqui se põe é: deve ser dito Pontedo’ ou ‘deLima?

Os especializas dividem-se. Uns argumentam que deve ser dito ‘de’, pois Lima é o mesmo que Límia, nome que designava e englobava toda a região que o rio (que se chamou Letes e Limia e, ainda, Belion) atravessa; outros opinam que o topónimo alude apenas ao rio e, por isso, deve concordar com o género, que é masculino. É verdade que historicamente parece mais sustentável dizer-se ‘de’, mas a linguagem popular parece preferir o ‘do’.
O determinativo Lima explica-se, naturalmente, pelo facto da proximidade (e cumplicidade) da localidade com o rio. Por ali perto temos alguns exemplos, como é o caso de Geraz do Lima

 

.

8 comentários sobre “Ponte (do ou de?…) Lima

  1. isabel c. 15 Outubro, 2007 / 09:39

    e,

    pode-se dizer ou

    pode dizer-se

    excelente o blog!

  2. Parvinha da Silva 11 Outubro, 2007 / 17:53

    por acaso agora marchava uma boa febra, ou fêvera, com um belo tintol (ou verde?) minhoto.

    Tenho que ir para essas bandas.

  3. Tchivinguiro: onde nasci. 9 Outubro, 2007 / 20:58

    É Ponte e é Lima. Das vezes que tenho ouvido pronunciar o nome desta vila ou de o ver escrito, tenho ideia de sempre ter ouvido e lido PONTE DE LIMA.
    Bela vila minhota.

  4. TINTA PERMANENTE 9 Outubro, 2007 / 12:07

    Permitam-me, amigos, umas achegas:

    un dress

    Talvez por natural distracção refere a ‘cidade’ Ponte de Lima. Por variadas razões (quanto a mim todas ajuizadas e de todo louváveis), apesar da febre emancipalista que se tornou moda neste país, a edilidade limiana sempre recusou outra categoria municipal para além daquela que ostenta desde o século XII e que, agora, a faz proclamar ser a ‘mais antiga vila de Portugal’

    parvinha da silva

    Ponte do Lima e Miranda do Douro, exactamente como muitos estudiosos defendem, justificam-se pela designação lhe ser atribuída pela proximidade do rio. Claro que no caso vertente de Ponte do Lima a confusão (e a discussão…) surge pelo facto da região envolvente de todo o rio Lima ser designada po Límia e, assim, também permitir a construção do nome da localidade a partir desta premissa, o que, então, levará a que se diga Ponte de Lima.
    Quanto às… febras (ou fêveras, ou ainda, fevras), o que é preciso é… sejam boas! Qualquer forma é correcta, apenas há diferenças consoante a região onde se escreve ou pronuncia. Confesso que lá para a minha terra natal não há outra coisa que não sejam febras à moda do Minho

    Vladimir

    Pois se soa melhor e de lá guarda belas recordações, a que propósito iria agora mudar?!… Nem pensar!…

    Maria

    Pois diz muito bem, minha amiga! Mas olhe que quem disser de outra forma… também diz muito bem. É que não há regra para o uso dos artigos ou das contracções que antecedem os topónimos. É que assim, convenhamos, também todos ficam com a razão…

    A todos reconhecidamente agradeço a vossa presença aqui, as vossas palavras que são, afinal, a justificação plena deste blogue existir.

  5. Maria 8 Outubro, 2007 / 22:34

    Digo Ponte de Lima, da mesma maneira digo “aconteceu EM Caldas da Rainha” e não NAS Caldas da Rainha… e sou DE Caldas e não DAS Caldas…..
    enfim, quem souber mais que diga de sua justiça…

  6. Vladimir 8 Outubro, 2007 / 22:32

    Soa-me melhor ao ouvido Ponte de Lima…Um local maravilhoso de onde guardo belas recordações…

  7. Parvinha da Silva 8 Outubro, 2007 / 20:07

    falar do léxico (ou de léxico) é sempre interessante, mas também inquietante. Domínio de incertezas…

    Por que se diz Ponte de Lima e
    Miranda do Douro?

    Digo febras ou digo fêveras?

    Na dúvida, e para estar bem com deus e com o diabo, evito tomar partido. Amante da palavra, opto por abdicar do rigor filológico, e safo-me com um descomprometido: “pode-se dizer das duas maneiras”

  8. un dress 8 Outubro, 2007 / 16:37

    sempre recordo de…

    ponte de lima.

    linda cidade …linda!! 🙂

(actualmente os comentários estão encerrados)