Raul Solnado

(19.10.1929 – 8.8.2009)

Tive o grato privilégio de o conhecer. Em África, em plena Guerra Colonial, por entre uma mão-cheia de artistas da Rádio e da Televisão, que o Governo levava até lá, através do Movimento Nacional Feminino, nas chamadas Caravanas da Saudade.

Que muitos, hoje, ainda recordam.

Raul Solnado era sempre a maior solicitação, apesar da voz e da juventude da Simone, da Madalena ou da Lenita. Ou mesmo da presença do rei Calvário, do Artur Garcia, do Rui de Mascarenhas ou até do desconcertante Humberto Madeira.

O centro das atenções e de todos os interesses, desde Luanda ao Negage ou a Cabinda, de Lourenço Marques à Beira ou a Nacala, eram sempre, e sempre mais, as histórias do Raul. Sementes de riso sadio, incontido e inesgotável.

Ele foi um Homem… do Arco-da-Velha!

Ele partiu, mas as suas superlativas histórias, essas ficam.

Até o dia, quando nos voltáramos a juntar todos, novamente, para as ouvir, Senhor Raul Solnado!

.

 

19 comentários sobre “Raul Solnado

  1. tinta permanente 7 Setembro, 2009 / 15:33

    APC
    Era, sobretudo, um contador de histórias. De excepção! Mesmo que nem sempre lhe tenham feito o favor de serem felizes!
    abraços!

  2. APC 16 Agosto, 2009 / 18:21

    Estava fora, quando soube, ao passar por uma papelaria que vendia jornais cá da nossa quinta. Comoveu-me imensamente. Pelo que estimo os grandes senhores e senhoras, pela sua história, que tanto tem de simples como de não (mantermo-nos estimados nem sempre é fácil, quando fizémos por viver), pelo tanto que me lembro desde pequenita. É que eu não me lembro de ele não ter existido…!
    E parecia-me ter sido há tão pouco tempo que o vira bem disposto como sempre, dando uma aula e sugerindo uma receita… Parece-nos sempre tão distante a possibilidade de que certas pessoas se vão um dia! Também pelo que representa de uma geração que começou as grandes coisas o lamento. Porque essa se ressente de uma forma diferente, sei. E pelo que representa para ti.

    Mas "Façam o favor de ser felizes!"

    Um abraço.

  3. tinta permanente 13 Agosto, 2009 / 15:00

    Ninha
    Ouvidas, de facto, até à exaustão, de tal forma que habitualmente se repetiam frases inteiras de uma ou outra história; só comparável com algumas das piadas cinematográficas do António Silva ou do Vasco Santana…
    Voltaremos, um dia, a revivê-los para além da Memória!
    abraços!

    teresa g.
    Também com palmas, centenas de pessoas, lhe disseram adeus!…
    abraços!

    Dulce
    Tanto riso, de facto, lhe ficamos a dever…
    abraços!

    Licínia Quitério
    É verdade, amiga, é verdade! Só se extingirá a par da Memória.
    abraços!

    Violeta
    Com toda a certeza, amiga!
    abraços!

    Isamar
    Como dizes: um Homem Bom!
    abraços!

    mfc
    Além de um Homem Bom, como diz a Isamar, também foi, de facto, Impar e Vertical.
    abraços!

    Magymay
    E, por vezes, o Silêncio fala melhor e mais do que quaisquer palavras…
    abraços!

    Baila sem peso
    Ao teu jeito de versejar, com certeza ele sorri!…
    abraços!

    Dulce
    Agradeço a distinção, amiga. Com constrangimento não a aceito: por coerência de igual procedimento com outras anteriores distinções e, sobretudo, pela minha tremenda limitação de tempo que apenas me permite, a custo, estas curtas palavras de agradecimento a quem por aqui vai deixando alguma palavra. Mas, renovo sinceramente, o meu maior agradecimento.
    abraços!

    Rosa dos Ventos
    Com ele, essencialmente, fomos gente alegre. Isso lhe ficamos a dever.
    abraços!

    gaivota
    E sempre continuará a merecer os nossos aplausos; com Saudade à mistura…
    abraços!

    Justine
    Não vai desaparecer porque não desaparece quem é Grande.
    abraços!

    Maria P.
    E sempre será 'ver e ouvir'; só que agora são os olhos do coração que o vêem…
    abraços!

    pin gente
    'ninguém desaparece, quando nos fica no coração'. Sabemos que não, amiga.
    abraços!

    jawaa
    Assim será, amiga!
    abraços!

  4. jawaa 12 Agosto, 2009 / 21:20

    Estou contigo nesta pequena homenagem a um homem grande como actor e como pessoa. ele viveu nas nossas casas e continua presente nas nossas recordações.
    Um abraço

  5. pin gente 12 Agosto, 2009 / 15:13

    sempre gostei dele.
    bonita homenagem!
    a frase a amarelo? totalmente de acordo.
    um abraço
    luísa

  6. Maria P. 11 Agosto, 2009 / 21:47

    Desde menina que me lembro de o ver e ouvir…
    Claro que vai ficar na memória.

    Beijinho*

  7. Justine 10 Agosto, 2009 / 15:05

    Um homem especial, sem dúvida! Que não vai desaparecer pela razão que tu apontas tão bem…

  8. gaivota 10 Agosto, 2009 / 14:32

    um Senhor, um Homem de grande bondade cheio de força a merecer sempre os nossos aplausos e agradecimentos pelo tanto que nos fez (e faz) rir!
    a recordação eterna!
    beijinhos

  9. Rosa dos Ventos 10 Agosto, 2009 / 10:59

    Enquanto vos ajudava lá, também fazia o mesmo na rectaguarda…
    Com ele rimos, chorámos e reflectimos!
    Um Senhor!

    Abraço

  10. Dulce 9 Agosto, 2009 / 23:57

    Tinta Permanente

    Gostaria que aceitasse o selinho que o Em Prosa e Verso oferece para o "Coisas do arco da velha".
    Por favor, passe lá para retirá=lo.
    Obrigada

    Dulce

  11. Baila sem peso 9 Agosto, 2009 / 23:01

    Um Sorriso que apagava a Dor
    Sem dúvida, um GRANDE Senhor!

    A ausência, marca da saudade…

    Um dia ouviremos (de novo)ao vivo sua voz
    Quando o nosso rio chegar à foz!

    E sim, só desaparece (visão é ilusão)
    quem não vive em nosso coração!

    Obrigada TP!
    Beijinhos

  12. MagyMay 9 Agosto, 2009 / 18:55

    Há ocasiões em que fico sem palavras… dizer o que quer que seja sobre o Raul Solnado parece-me pouco

  13. mfc 9 Agosto, 2009 / 17:23

    Foi um Homem ímpar e vertical.

  14. Isamar 9 Agosto, 2009 / 17:19

    Um Homem Bom,um exímio comediante, inesquecíveis o seu sorriso maroto, o seu olhar ingénuo, a sua solidariedade, a sua postura na vida…

    Bem-hajas!

    Beijinhos

  15. Violeta 9 Agosto, 2009 / 10:17

    Acho que RS vai permanecer no coração de muitos portugueses. Não desaparecerá!

  16. Licínia Quitério 8 Agosto, 2009 / 22:45

    Bonita homenagem. O coração desistiu, mas ele viverá nos nossos até que também se cansem.

    Abraço, Amigo.

  17. Dulce 8 Agosto, 2009 / 21:11

    Uma luz que se apaga deixando a lembrança do riso, da alegria, do bom humor que tanto nos encantava.

  18. teresa g. 8 Agosto, 2009 / 20:51

    Uma salva de palmas para ele.

  19. Anónimo 8 Agosto, 2009 / 20:50

    Criança, longe da guerra colonial e ignorante do movimento nacional feminino, as férias passava-as na aldeia em casa da avó. Um ano,um primo meu apareceu com um pequeno gira-discos de mala, em plástico. E uns poucos discos de 45 rotações. A "Ida à Guerra" e a "História da Minha Vida" encheram aquele verão de gargalhadas. Ouvidas à exaustão, já lhe repetia os arremedos. Os anos passaram e, ao ouvir esta voz, recordei-os direitinhos. Tens razão, TP, ninguém desaparece, quando nos fica no coração. Encontra-nos-emos um dia!

    Ninha

(actualmente os comentários estão encerrados)