riso sardónico


Segundo Discorides (célebre médico grego, autor dos primeiros livros sobre Farmacologia e Medicina), crescia na Sardenha uma planta, cuja raiz, se fosse ingerida, causava uma morte rápida antecedida por vincadas convulsões faciais que, referia o sábio, eram em tudo semelhantes às provocadas pelo riso.

Cesar Cantu, na sua História Universal, assegura que provirá desse facto a expressão riso sardónico.

 

 

 

(rir antes da boca, engasga)

14 comentários sobre “riso sardónico

  1. bettips 21 Janeiro, 2009 / 02:18

    Sorriso que a mim já me é “sarnento”.
    Mas essa da antiguidade lá teria as suas razões: neste caso, não mata mas morde!
    Bjinhos

  2. M. 17 Janeiro, 2009 / 22:45

    Subtil, subtil e ironia q.b. …

  3. Cata-Vento 17 Janeiro, 2009 / 12:12

    Um sorriso que nunca me cativou e agora, que sei as suas origens,muito menos.
    Beijinhos

  4. mena m. 16 Janeiro, 2009 / 19:57

    Adorei!
    Não sei porquê parece um sorriso mal disfarçado de quem está à rasca…
    Será do selo?
    Para me fazer entender tenho que contar uma anedota. Espero que não te importes…
    Sócrates queria um selo com a sua foto para deixar para a posteridade o seu mandato no Governo deste país que está de tanga. Os selos são criados, impressos e vendidos. O nosso PM fica radiante! Mas em poucos dias ele fica furioso ao ouvir reclamações de que o selo não adere aos envelopes.
    O Primeiro-ministro convoca os responsáveis e ordena que investiguem o assunto. Eles pesquisam as agências dos Correios de todo o país e relatam o problema.
    O relatório diz:
    “Não há nada de errado com a qualidade dos selos. O problema é que o povo está a cuspir no lado errado”.
    Beijinho

  5. Justine 16 Janeiro, 2009 / 11:07

    Sinto, subjacente ao teu texto, um desejo inconfessado, uma subtil sugestão…
    Como sempre, post irónico e muito inteligente!
    Abraço

  6. Bartolomeu 16 Janeiro, 2009 / 10:13

    “Porreiro pá”
    … sardó quê?… ahhh!…nico! Pois…
    A mim, parece-me que este Sócrates é a antítese de Diógenes, o cínico. A diferença é que o outro, declarava que a virtude devia ser vivida e não só proclamada…
    Sorriso para quê? é um actor português!!!

  7. Filomena Barata 15 Janeiro, 2009 / 23:57

    mas eu voltarei, terei que lá tratar dos Lares que são sos meus.

  8. mdsol 15 Janeiro, 2009 / 23:17

    A bem dizer este é mais um sorriso amarelito eheheheh
    :))

  9. Arabica 15 Janeiro, 2009 / 20:50

    Credo 🙂
    Antes o riso amarelo…

  10. Adérito, o tasqueiro 15 Janeiro, 2009 / 00:00

    Vou começar a chatia’lo por aqui se me permitir 🙂
    Ora lá está. Ensina-nos cada coisa 😀
    Saudações Tasqueiras

  11. APC 14 Janeiro, 2009 / 23:58

    Muito bem dado, esse laço entre o texto e a imagem. Também dei por mim a questionar-me, hoje, frente à TV, que forças estariam por detrás de um sorriso à prova de tanta bala. Mais do que um caso sério, parece-me um caso céreo. Foi a Maria de Lurdes que lho pegou, tenho a certeza. E dá-me ideia que a epidemia se irá propagar muito mais, já que a coisa é mesmo para rir, e a alternativa serão os ataques de cólera.
    Abraço meu.

  12. Arménia Baptista 14 Janeiro, 2009 / 23:04

    Se se visse os dentes, eu diria que o sr. José, estava com o tétano!!!(a doença ataca os músculos – ficam rígidos – principalmente os da mastigação)

    ;))

  13. Inês Santos 14 Janeiro, 2009 / 19:26

    Bem me parecia que esse riso não era boa coisa!
    bjs
    Inês

  14. pin gente 14 Janeiro, 2009 / 17:15

    então esse riso eu dispenso.
    abraço

(actualmente os comentários estão encerrados)