sangria desatada…


Sangria desatada
diz-se de qualquer coisa que requer uma solução ou realização imediata. Esta locução, julga-se, teve origem nas guerras, onde se verificava a necessidade de cautelas acrescidas a ter com os soldados sangrados. É que, se por qualquer motivo, se desprendesse a atadura posta sobre as feridas, a morte sobreviria inevitavelmente se não lhe acudissem a tempo, visto dar-se uma perda se sangue fatal.
Daí dizer-se, a propósito geralmente de ninharias que não merecem pressa, zelo ou importância imediata, deixa lá, que isso não é nenhuma sangria desatada
(ver fazer uma sangria)

 

 

 

 

(sangrai-o, purgai-o e se morrer enterrai-o)

5 comentários sobre “sangria desatada…

  1. bell 8 Maio, 2008 / 15:57

    Colecciono expressões populares ou idiomáticas. Vou levar esta emprestada, posso? Obviamente colocarei o link para esta página.

  2. APC 18 Abril, 2008 / 20:21

    Nunca me havia perguntado isso, eu.
    Curiosa, é também a forma como se curavam feridas com aguardente e larvas de mosca. Após a II Grande Guerra, é que terá havido um substancial avanço nos tratamentos, com a entrada de anti-sépticos e antibióticos.
    É uma sangria desatada, este abraço! 🙂

  3. Maria Laura 16 Abril, 2008 / 11:51

    Aprende-se sempre alguma coisa por aqui. E de uma forma tão agradável…

  4. Justine 16 Abril, 2008 / 11:16

    E mesmo sem ser sangria desatada, apetece-me deixar aqui, agora, dito, que é sempre interessante o que nos ofereces nos teus posts :))
    Beijo

  5. JPD 15 Abril, 2008 / 21:30

    isso quando os alvos humanos eram atingidos por projecteis.
    O napalm ou gas mostarda por exemplo — a menos que provoque hemorragias, acho que não — escapam à sangria desatada

(actualmente os comentários estão encerrados)