santinho!…

Na maior parte dos países ocidentais, de um ou outro modo, existe o hábito de abençoar os… espirros.
Em Portugal, ora mais ali e menos acolá, usamos o santinho ou o Deus-te-salve. A questão que se põe é: por que o fazemos?
O que é um espirro? O espirro é uma reacção instintiva de nosso organismo à presença de partículas ou micróbios que causam irritação, como poeira, pólen, ácaros, vírus, bactérias ou fumo. Actuando como um eficiente mecanismo de defesa do nosso corpo, produz-se uma forte contracção do tórax e abdómen, ao mesmo tempo que inspiramos rápida e profundamente, para de imediato resultar numa expulsão de brusca e impetuosa de ar e gotículas, pelo nariz e boca.
Espirro tem origem no latim exspiro, as, are, avi, atum, lançar soprando, exalar, animam exspirare, expirar, morrer, evaporar-se, derradeiro suspiro.

A analogia com o inculcado sopro da vida e, por oposição, com o último suspiro, levou a tradição e a crença popular a associar à saída do Diabo (ou resistência dele) do corpo. Assim terá nascido a interjeição santinho ou Deus-te-salve, dita para animar, aplaudir ou festejar a expulsão do demo. 
Não será diminuída a hipótese que, considerando serem parcos os conhecimentos médicos na Idade Média, havia a noção de que o espirro estava intimamente ligado à doença. Então, devido à escassez de meios, ou mesmo à impotência perante o desconhecido, para curar muitas das doenças existentes, abençoar a pessoa que espirrava, garantia boa sorte para o enfermo.
Provavelmente desta possível preposição, uma outra palavra é frequentemente associada: saúde.
A propósito, um conselho: nunca tente impedir um espirro.

 

 

 

(enquanto se tem saúde quedos estão os santos)