canto da sereia

É tudo quanto seja proposta tentadora, aliciante, mas perigosa e que, muitas vezes, se cumpre pelo inverso do que parece ser prometido.
A expressão tem origem numa passagem da Odisseia, o poema épico de Homero, em que é descrito o perigo que Ulisses teve de enfrentar, no seu regresso a Ítaca.
Os que ouviam, no mar Egeu, o canto das sereias, postadas numa ilha rochosa, não podiam escapar aos sortilégios dessas figuras encantadas, e assim perdiam a vida.
Ulisses usou o estratagema de tapar os ouvidos dos seus marinheiros com cera e a si, que as queria ouvir, fez-se amarrar ao mastro principal da sua nau. Graças ao expediente, conseguiu conjurar o perigo.
Curioso referir que na Odisseia as sereias são apenas duas. Outros escritores, tradutores da obra, aumentaram o número para três: Parténope, Lígia e Leucósia.
Platão viria depois dividir as sereias em três classes, que obedeciam ao comando de Zeus.
Finalmente as sereias perderam grande parte (toda, para ser mais correcto…) da sua poesia e romantismo: nas últimas guerras, foi dado o nome de sereias aos sinais sonoros de alarme, ruídos que, voltando à expressão, anunciavam perigo mortal.

 

 

 

(isso é mais rabeca menos sanfona)

calcanhar de Aqulies

Se é verdade que não há quem não saiba a significação da frase, não é menos verdade que não há quem não tenha o seu calcanhar de Aquiles, ou seja, um ponto fraco, um factor de vulnerabilidade no qual possa ser mais certeiramente atacado com êxito.
Esta elocução tem origem na história de Aquiles, um dos heróis do cerco de Tróia.
A mãe, Tetis, quando ele era criança, e por favor dos deuses, para que ele fosse invulnerável, mergulhou-o nas águas do Styge. No entanto, Aquiles ficaria vulnerável no calcanhar, pois teria sido por ali que a mãe o segurara e, desse modo, o fadado rio não o pôde abranger totalmente com as suas águas milagrosas.
Acabaria por ser ali, no calcanhar, que Páris o haveria de ferir, um dia, com uma flecha envenenada.
(ver calcanhar de Filoctetes)

 

 

(fraqueza não é vício, mas conduz ao precipício)