o homa dos ovos

-É mulher, frita-me um ovo!
-É nã, homa, sã muita caros.
-Se no me fritas um ovo, morro.
-Um inda to frito, mas mai não.
-Ai, mulher, frita-me dois, sanã morro.
-Dois indo tos frito, mas mai nã.
-Ai, mulher, frita-me três, senã morro.
A mulher no quis e o homa morreu. Foram-no interrar e cando ia acaije ò pé de Sant’António, a mulher com rimorso foi lá cima da barrêra e gritou:
-É homa, alevanta-te e come-os todos!
O povo intendeu qu’era prós comer a eles e fugiram todos.

(contado por Ana Manivensa, de Monsanto, concelho de Idanha-a-Nova, distrito de Castelo Branco, em 1955; publicado em ‘Contos Populares Portugueses’)

 

.