comboios

Desde que existem, os comboios ganharam lugar cativo no imaginário humano. Para isso talvez tivessem contribuído alguns dos mais famosos comboios…
Como o Oriente Express, conhecido como o rei dos comboios ou o comboio dos reis. Nagelmackers fundara, em 1876, a Companhia Internacional dos Wagons-Lits: as carruagens-cama e as carruagens-restaurante, luxuosamente equipadas, transformaram-se na sua imagem de marca. O Oriente Express iniciou-se em 1883 entre Paris e Constantinopla. Demorava oitenta horas.
O Express da Escócia, de 1900, com a sua harmonia e elegância, tudo em tons cor de vinho, foi o símbolo da opulência ferroviária da era vitoriana. Todas as tardes partiam, às vinte horas de Londres para Edimburgo dois comboios (de duas Companhias), um pela costa oeste e outro pela costa leste.
O Comboio Azul ou Le Train Bleu, pela cor exterior das suas carruagens desde 1922, foi criado em 1883 com a designação de Calais-Nice-Rome-Express. Incrementou o sucesso da Riviera francesa e mudou-lhe o nome para Cote d’Azur. Entre os habitués contaram-se Leopoldo III, a rainha Vitória, Gustavo VI da Grécia, Churchill, Hemingway, Coco Chanel, André Citren; Gary Cooper, Brigitte Bardot e muitos mais.
O Transiberiano, ou o comboio de todas as Rússias, foi um dos mais famosos e o mais extenso de todo o mundo, ligando Moscovo a Vladivostok em cerca de dez dias.
O Sud-Express fazia parte de um grande projecto denominado Nord-Sud-Express e, nesse âmbito, a Companhia dos Caminhos de Ferro Francesa e a Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses decidiram criar um serviço semanal a ligar Lisboa a Paris. O primeiro comboio partiu de Calais em 24 de Fevereiro de 1887 (há 120 anos…) e, em 1895 passou a circular pela Beira Alta. A viagem Lisboa a Paris demorava pouco mais de vinte e quatro horas e por ela passou grande parte da mais recente história migratória portuguesa. Foi, por isso e ao longo do tempo, fonte de inspiração de muitos autores portugueses…