água no bico (trazer)


Embora não haja, em definitivo, um verbo para conjugar a expressão (de facto usa-se, indistintamente ter, trazer ou levar), o facto é que ela pretende exprimir uma intenção oculta, um segundo fito que, genericamente, podemos associar a um golpe aleivoso.

É, porventura, na marinhagem que vamos encontrar a génese da frase. Na verdade, em termos náuticos, a proa de um barco, logicamente associada ao bico das antigas embarcações (especialmente os lugres bacalhoeiros), era comummente referida como bico da proa. Acontece, pois, que quando no linguajar marítimo se diz navegar com a água (no, ou) pelo bico, isso quer significar que se vai a navegar contra a corrente, ou seja, em tal situação de perigo que não permite prever o que possa suceder, sendo possível sofrer um eventual, rápido e traiçoeiro golpe do mar.

 

 

 

(uma vez se engana ao prudente e duas ao inocente)