canto do cisne

Canto melodioso que se atribui ao cisne, pouco antes do momento da sua morte.
É uma lenda muito antiga que, embora sem qualquer fundamento, não impede o seu uso frequente. Diz-se ser a última manifestação de talento de um grande poeta, de um grande romancista, de um orador ou, até, de um cantor.
É vulgar referir-se, por exemplo, que os Cânticos Espirituais foram o canto do cisne de Racine e, também, que a segunda parte de Fausto foi o canto de cisne de Goethe.

O canto (som), que não tem convergência de opiniões sobre o modo como é produzido, ao contrário do que a lenda faz supor, é, curiosamente, uma sonoridade bastante desagradável ao ouvido humano.

 

 

 

 

(o pano que desça; a comédia acabou)