quem com ferros mata, com ferros morre

com quem ferros mataEsta expressão é das mais vulgarizadas no nosso quotidiano; curioso que seja, também das menos interiorizadas.
Quem com ferros mata, com ferros morre estabelece um conceito de reciprocidade nas relações humanas.
Quem pratica o bem recebe o bem, quem pratica o mal receberá o mal.
Este postulado será, porventura, a regra básica mais antiga da sociedade humana, como tal. Porventura burilada, viria a dar no princípio filosófico ateniense de que o que fazemos pelos outros, para nós voltará algum dia.

Mais tarde, na Bíblia, encontrar-se-ia um preceito semelhante: todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão (Mateus 26:52).
Igualmente salutar me parece uma outra enunciação que diz quem com ferros mata não morrerá na cama. Mas como nunca dispo a minha pele minhota dou preferência a uma tese defendida por estas bandas, com quem ferros mata, há-de morrer como os grilos: com os cornos espetados no chão e de cu para o ar.

 

 


(pica-me Pedro, picar-te-ei cedo)