três vinténs (tirar os)


Tirar os três vinténs
, ou mais vulgarmente tirar os três significa fazer sexo com donzela, fazendo-a perder a virgindade.

Entre nós, portugueses, mormente no Minho e Trás-os-Montes, o termo parece ter origem no uso dos cordões de ouro, especialmente aquele que era apelidado de primeiro cordão ou primeiro ouro. Esse cordão era oferecido quando os pais lhe admitiam a possibilidade de namoro. Nessa altura, a mãe também colocava, presa ao cordão, uma moeda de três vinténs.
A tradição era que só a mãe podia retirar esse amuleto, o que acontecia quando a moça saísse de casa para casar. O que, consagrando o corte umbilical, tomaria significado diferente que, no costume quotidiano e brejeiro do povo, acabaria por estar conotado a perda da virgindade.
Curiosamente, este axioma (ou gíria, assim igualmente suposto) também está relacionado com outra tradição, esta muito mais antiga e que teria sido trazida para a Península aquando da romanização.
Em Roma, a noiva, ao caminhar para o altar, levava na mão três moedas de asse. No altar, então, entregaria uma dessas moedas ao noivo e guardava as outras, manifestando desse modo que redimia um terço da sua servidão e que reconhecia que o casamento só a emancipava de modo parcial.
(o sistema monetário foi instituído na segunda metade do século quinze e seria alterado, para o escudo, em 1911, na sequência da instauração da República. Na imagem um vintém do reinado de D. Manuel I)

 

 

 

(virgindade e chumbo pesam muito)